O Arquiteto e o Imperador da Assíria, de Fernando Arrabal, estreia em “Sessão Vermute” no Teatro Eva Herz com Léo Stefanini e Cleber Colombo no elenco

SOBRE O EVENTO

Início: 26/07/2018 17:00
Fim: 25/10/2018 17:00
Onde: Teatro Eva Herz – Livraria Cultura do Conjunto Nacional – Avenida Paulista, 2073 - SP

Na clássica tragicomédia do Teatro do Absurdo, a história se passa em uma ilha selvagem, onde vive um habitante solitário.  Após um acidente aéreo, um único sobrevivente vai parar na ilha. A partir desta situação, os dois personagens vivem uma maratona de emoções. Ora se digladiam, ora se solidarizam, em uma convivência claustrofóbica, surpreendente e permeada por refinado humor


Fotos de Adriana Grzyb

 

Nos charmosos anos 50 a vida cultural paulistana cultivava uma tradição: as matinês teatrais, curiosamente apelidadas de Sessões Vermute. Realizadas às quintas-feiras às 17h, as Sessões vermute eram lotadas. Senhoras impecavelmente bem vestidas, jovens estudantes, senhores elegantes e trabalhadores saindo de seus escritórios corriam para as salas de teatro para desfrutarem  desta espécie de aperitivo cultural.

 

Até hoje, algumas cidades ao redor do mundo mantêm esta tradição. Em Nova Iorque, por exemplo, é comum as grandes produções fazerem apresentações matinês nas quintas-feiras. Em Buenos Aires, a Avenida Corrientes também exibe sessões abarrotadas neste horário.

 

Em agosto, o Teatro Eva Herz resgata esta tradição, trazendo de volta as Sessões Vermute, às quintas-feiras à 17h com o espetáculo O Arquiteto e o Imperador da Assíria.


O diretor Léo Stefanini dá continuidade à sua pesquisa sobre o Teatro do Absurdo – iniciada em 2016 com a encenação de “Esperando Godot”, de Samuel Beckett - com a montagem de O Arquiteto e o Imperador da Assíria, do dramaturgo espanhol Fernando Arrabal. O espetáculo estreia no Teatro Eva Herz, dia 26 de julho. Nesta temporada, o elenco é composto por Léo Stefanini e Cleber Colombo.

As comédias absurdas de Arrabal e Beckett têm muitas semelhanças entre si, segundo Léo Stefanini. “As duas são as obras-primas desses autores, os escritores são considerados os maiores dramaturgos de seus países, os textos apresentam o encontro entre personagens em um universo pouco definido e elas necessitam da participação do espectador. As histórias só se fecham quando o público se torna cocriador das obras. Quando montamos ‘Godot’, por exemplo, notávamos que as pessoas saíam do teatro com as mais diversas interpretações. Esse universo multifacetado de possibilidades é o que me encanta”, diz.

A trama se passa em uma ilha deserta onde vive apenas o Arquiteto. Certo dia, depois de ouvir uma explosão do lado de fora de sua cabana, ele encontra o único sobrevivente de um acidente de avião, que diz ser o Imperador da Assíria.  Depois de anos de uma convivência claustrofóbica, os dois vivem uma maratona de emoções: ora se desafiam, ora se solidarizam com a situação do outro.

Algumas das referências da encenação, além da obra de Samuel Beckett, são as linguagens do grupo inglês Monty Python, dos filmes do americano Buster Keaton, do seriado brasileiro TV Pirata e da peça “O Mistério de Irma Vap”, do americano Charles Ludlam.

Sobre Fernando Arrabal

Considerado um dos ícones da dramaturgia espanhola do Século 20, Fernando Arrabal é autor de peças de Teatro do Absurdo que ficaram conhecidas no mundo todo, como “O Arquiteto e o Imperador da Assíria” (1966), “Fando e Lis” (1955), “O Cemitério de Automóveis” (1959), “O Triciclo” (1953) e “O Grande Cerimonial” (1963). Além de escrever para o teatro, ele é autor de 14 romances e já dirigiu sete longas-metragens.

Graças ao caráter ácido e crítico de suas obras, Arrabal foi preso pela ditadura franquista e tachado como um dos mais perigosos autores espanhóis. Na prisão, recebeu apoio de outros grandes escritores, como o irlandês Samuel Beckett, o francês François Mauriac e o norte-americano Arthur Miller, que pediram sua absolvição para o governo ditatorial.

Arrabal recebeu inúmeros reconhecimentos internacionais, como o título de Transcendent Satrape (Pataphysique) do Collège de 'Pataphysique, o Grande Prêmio de Teatro da Academia Francesa, Prémio Nadal de romance, o Nabokov de novela, o Espasa de ensaio e World's Theater. 

Ficha Técnica

Texto: Fernando Arrabal 
Tradução: Wilson Coelho
Direção: Léo Stefanini

Assistência de direção: Fulvio Filho 
Elenco: Cleber Colombo e Léo Stefanini 
Cenário: Chris Aizner 
Iluminação: Wagner Pinto 
Trilha Sonora: Raul Teixeira 
Figurinos: Cora Produções
Técnicos: Diego Cortez, Valdilho Cruz e Fabricio Cardial 
Produção: Léo Stefanini, Adriana Grzyb 
Realização: Cora Produções 
Assessoria de imprensa: Pombo Correio

 

Serviço

O Arquiteto e o Imperador da Assíria, com direção de Léo Stefanini

Teatro Eva Herz – Livraria Cultura do Conjunto Nacional – Avenida Paulista, 2073

Informações: (11) 3170-4059

Temporada: de 26 de julho a 25 de outubro.

Sessão Vermute: Quintas-Feiras às 17h

Ingressos: R$60,00 (inteira ) e R$30,00 ( meia-entrada)

Classificação: 12 anos

Duração: 70 minutos

Capacidade: 168 lugares

MAPA

Clique para habilitar o mapa
Teatro Eva Herz – Livraria Cultura do Conjunto Nacional – Avenida Paulista, 2073 - SP